Depressão e Compulsão

Depressão e Compulsão

O ato de comer vai além da função fisiológica, pode existir uma função social, espiritual e também uma função psicológica. Na função psicológica o ato de comer pode, simbolicamente, ser uma forma de” canalizar” nossas emoções desagradáveis ou para nos dar prazer. Emagrecer é, portanto, o controle da alimentação em conjunto com o controle das emoções, de impulsos e de sentimentos. 

 

Compulsão Alimentar

O diagnóstico de Transtorno da Compulsão Alimentar (TCAP) é diagnosticado quando os episódios de compulsão alimentar começam a ocorrer com uma certa frequência e acompanhado por outros fatores.

O paciente com compulsão alimentar sente a necessidade de comer, mesmo quando não está com fome e não deixa de se alimentar apesar de já estar satisfeita. Pessoas com compulsão alimentar comem grandes quantidades de alimentos em pouco tempo e sentem perda de controle, podem confundir sensação de fome com sentimentos e emoções. Normalmente este ato de comer compulsivo é seguido de tristeza e sentimento de culpa pelo exagero.

A pessoa com compulsão alimentar normalmente utiliza o alimento com um mecanismo de defesa. Busca a comida como forma de aliviar um desconforto, como por exemplo: solidão, fracasso, abandono etc. Na maioria das vezes, não sabem que estão agindo desta forma (inconsciente). O psicólogo pode ajudá-lo a entender seu comportamento e posteriormente ajudar modificá-lo, evitando assim uma possível recidiva de peso (reganho) ou possível troca de compulsão.

 

Depressão

 A depressão é caracterizada pela perda ou diminuição de interesse e prazer pela vida, gerando angústia, abatimento, algumas vezes sem um motivo evidente. A depressão vai além de uma tristeza repentina. A doença é persistente, aumenta a irritabilidade, observa alterações alimentares e de sono. 

Segundo a nova Resolução do CFM 2.131/15, a depressão é uma doença associada à obesidade e um critério de indicação de cirurgia bariátrica.

Observamos muitas vezes, que a obesidade aumenta o risco de depressão, pois o obeso encontra-se geralmente com a qualidade de vida, convívio social e satisfação com seu próprio corpo rebaixados.

No caso do diagnóstico de depressão ou de compulsão alimentar, o acompanhamento com psicólogos e/ou psiquiatras é necessário para evitar complicações e o sofrimento emocional a longo prazo.

 É importante que o paciente tenha a consciência da importância do tratamento psicológico no pré e pós cirúrgico, assim possibilitara o sucesso no tratamento.

 

Psicóloga Lilian Landin

Deixe uma resposta