A importância da atividade física no pós-operatório da cirurgia bariátrica

A importância da atividade física no pós-operatório da cirurgia bariátrica

A Cirurgia Bariátrica traz diversos benefícios para o paciente além da redução da gordura corporal e controle da obesidade. As mudanças na vida do paciente após a cirurgia Bariátrica são muitas, entre elas:

 

  • Mais disposição e mobilidade física
  • Melhora na qualidade de vida
  • Redução do nível de estresse
  • Diminuição do risco de depressão
  • Aumento da autoestima e da interação social
  • Benefícios relacionados a doenças como a hipertensão, diabetes, colesterol, asma, esteatose hepática, insuficiência cardíaca e respiratória

 

No entanto, é importante lembrar a cirurgia bariátrica é um processo contínuo de mudança de estilo de vida e que seu sucesso depende de fatores importantes como a correta nutrição, o exercício físico regular e a mudança de comportamento.

Quando se fala em exercícios físicos após a cirurgia, devemos ter em mente que um bom treinamento é aquele que foi devidamente autorizado pelo médico e planejado pelo educador físico bariátrico, que levou em consideração as características físicas e objetivos do paciente, e que deu a devida atenção ao volume, intensidade, freqüência e duração de cada sessão. O descanso também faz parte do treinamento. Por isso, a frequência de treinos semanal prescrita deve ser seguida com rigor, para que o esforço valha a pena.

A mudança de hábitos e a aquisição de um estilo de vida saudável só vão acontecer se houver apoio profissional multidisciplinar ao paciente. Médico, educador físico, psicólogo, nutricionista e fisioterapeuta vão orientar o paciente a prosseguir no emagrecimento saudável, pois a cirurgia bariátrica não é mágica, e sim um instrumento, uma técnica que vai proporcionar novos aprendizados para a vida.

No período pré-bariátrica, agendada a cirurgia, o médico e a equipe multi e interdisciplinar orientam o paciente a perder cerca de 10% do peso e fortalecer a musculatura abdominal. Os benefícios importantes como preparar o paciente para uma cirurgia mais tranquila, melhorar o quadro de esteatose hepática, reduzir riscos de complicações e facilitar a adesão aos novos hábitos que o paciente precisa adquirir.

Realizada a cirurgia, inicia-se a fase pós-bariátrica e, após o médico liberar o paciente para fazer atividade física, o educador físico planeja a inserção gradual de atividades aeróbicas, começando com caminhadas lentas e curtas nos primeiros 15 dias, exercícios funcionais leves e atividades da vida diária após 15 dias. Exercícios de força ou musculação serão incorporados aos treinos após 30 dias, com o intuito de desenvolver o tônus muscular e ganhar massa magra. 

 

Essa estratégia de treinamento após o primeiro mês da cirurgia, tem como objetivo: 

  1. Elevar o metabolismo basal do paciente; 
  2. Atenuar a perda de massa muscular; 
  3. Aumentar o gasto energético e reduzir a gordura corporal; 
  4. Reabilitar dores articulares e desenvolver o equilíbrio para o corpo que se transformará nos próximos meses; 
  5. Evitar o reganho de peso e a recidiva da obesidade.

 

Importante salientar que os exercícios de força ou de compressão dos músculos abdominais devem ser realizados somente após 60 dias da cirurgia. Antes desse prazo, tais atividades podem prejudicar o processo de cicatrização da parede abdominal e trazer riscos à segurança e saúde do paciente .

Com foco no objetivo do treinamento, o educador físico irá definir a estratégia a ser adotada e qual o percentual de exercícios aeróbicos e resistidos (força) presentes em cada fase do treinamento. Treinos que combinam exercícios aeróbicos com exercícios de força, de baixa complexidade e que podem ser realizados em casa, parques ou academia, com intensidade moderada, irão proporcionar a melhoria das capacidades de força e resistência cardiorrespiratória, elevação do metabolismo basal e redução considerável da gordura corporal. 

Acompanhar a evolução do treinamento e verificar se os resultados estão ocorrendo conforme planejados é vital tanto para o educador físico quanto para o paciente. Esta evolução é verificada em avaliações físicas periódicas com medidas antropométricas, bioimpedância e avaliação de força. Medir, avaliar e verificar a evolução proporciona o aprimoramento da prescrição e motiva o paciente, pois este irá perceber seu progresso na redução da gordura corporal e aumento da massa magra.   

Com a prescrição de exercícios em mãos, é determinante que seja mantida a regularidade dos treinos e que o paciente siga a recomendação prescrita, para que possa alcançar os resultados traçados nos prazos desejados.

Durante a quarentena e o isolamento social, fazer alguns treinos com a família ou com a presença online do educador físico, é uma forma agradável de evitar o sedentarismo e recolocar o paciente no caminho de chegar à meta com saúde!

Fazer exercício físico é um pequeno esforço que você faz em homenagem ao seu corpo e à sua mente!

Fazer exercício físico é uma forma de ter um estilo saudável de viver com qualidade. Deve ser prazeroso e nunca um sacrifício. Exercício físico promove uma sensação maravilhosa de alegria durante e após a prática da atividade e, além disso, traz a consciência de que estamos cuidando da nossa saúde física e mental.

 

Professor e Educador Físico Bariátrico Nilton Pereira CREF 118222-G/SP

Deixe uma resposta